quarta-feira, 16 de julho de 2008

Gravidez (In) desejada - Visão masculina



Leia esse etxto no site:

5 comentários:

Estela disse...

Pois é, aí eu fico pensando, amar é respeitar o direito de escolha do outro, o que nesse caso não aconteceu.
Também me assusta a quantidade de meninas adolescentes e mesmo as que já passaram dessa fase, que pensam que um filho pode "segurar" uma relação. Isso é ilusão!
Mesmo em relacionamentos estáveis (e já vi acontecer muitas vezes), um filho bagunça uma relação. A criança é um terceiro sujeito, no meio dos dois e isso pode distanciar o casal e colocar um "peso" que a relação não tem condição de suportar.
O filho ainda é visto como uma reponsabilidade feminina e, mesmo quando os homens dividem as tarefas, acordam no meio da noite, dão banho, comida, trocam fralda, ainda assim, a mãe assume mais responsabilidades.
Um filho é uma coisa linda, que nos faz ver o mundo com outros olhos, mas é uma responsabilidade imensa.
(Chega, eu falo demais)

Beijinhos, como sempre ótimo post.

Miriam disse...

Eu fui mãe com 33 anos e não reclamo de ter que criar um filho sem pai, muito pelo contrário, estando só educo do meu jeito e não preciso de palpites masculinos machistas na criação de meu filho.

Muitas mulheres hj tem filhos por opção e não querem ter um marido. Qual o problema nisso? nenhum. Dizer que pra ter um filho temos que estar em uma relação harmoniosa me soa um pouco arcaico e preconceituoso.

Georgia disse...

Miriam,

você teve um relacionamento que pretendia manter, não escolheu ser mãe solteira.
Mas acredito que aos 20 e poucos anos, nenhuma moça quer ser mãe solteira e o meu alerta são pra elas.
Quando se tem maturidade e condições financeiras pra ser mãe sozinha, é outro caso.
Quando você depende dos outros e quer segurar o pai da criança e resolve por conta própria que vai ficar grávida, aí, é ser infantil.
Você é uma mulher admirável e sei do seu amor pelo seu filho.
Você é um caso, a outra é um outro caso.
Beijos e obrigada por postar do meu blog, fiquei muito feliz!!

Georgia

M4 Web Design disse...

Bom,
O problema na sua visão é esperar que um casal de 20 e poucos anos vá ter essa maturidade.

Ainda mais nesse ritmo maluco que as mulheres se impõem, que acham que a vida tem que se resolver até antes dos 30 pq senão vai ficar velha.

É aquele velho negócio, seria bom se os jovens de 20 e poucos tivessem a cabeça que temos aos 30 e poucos. Mas não têm.

Aí é que falta a educação sabe? Exatamente neste ponto, onde em vez de meter a colher pra dizer q o filho está magro ou que a filha nunca precisou lavar louça, tem que falar isso que vc escreveu.

Os pais é que tem que mostrar e se fazer entender, que os relacionamentos não acabam aos 30.
Que nada tem um fim previamente determinado.

Mas preferem colocar a culpa nos outros sempre, é assim que é.

Em tempo, gostaria de deixar claro que adoro vc como pessoa, admiro vc e sabe q eu sou o primeiro a torçer por seu sucesso.
Só tivemos pontos de vista diferentes em outras ocasião, que tornou um entendimento impossível. Apenas isso, pelo menos para mim.

Anônimo disse...

Oi, achei ótimo o seu ponto de vista. Agora, o que se passa na cabeça de uma jovem/mulher que sai com o cara uma vez na vida, o cara tá bêbado e mesmo assim ela acha que vai conseguir algo, e enfim, engravida e estraga a vida dela e do outro também, e depois fica esfregando o filho na cara dele pra receber pensão? Poxa vida, se ela foi adulta o suficiente pra se esfregar com um chapado, que seja mulher também pra não ficar pedindo pensão e criar o filho sozinho!!! Malandra ela, não?